\\ PESQUISE NO BLOG

domingo, 28 de agosto de 2011

Eva-Discurso verbal

Eu lembro do som dos sucrilhos. Eu lembro do cheiro do cabelo do Kevin ao beija-lo antes de sair. Lembro do toque aveludado do tapa-olho de Célia, mas não lembro do rosto do meu marido. Ele domiu e acordou do meu lado, mas eu não me lembro.

6:30 chego na escola, digo bom dia a quem passa, vou para a cantina e tomo café com a vice-diretora.

Manhã corrida, almoço, Frank deixa com Célia o meu porta óculos que eu tinha esquecido em casa. O dia está lindo. Céu azul de inverno. Eu adoro céu azul de inverno.

Eu não escutei o primeiro tiro, nem o segundo, terceiro, quarto, quinto. Saindo do almoxerifado, vi o rastro de sangue. Pensei: Nossa, eles realmente gostam de Halloween por aqui.

De um segundo para o outro mais sangue, sangue, gritos, castelos sendo construídos, castelos sendo destruídos. Meus olhos encaram Kelly, menina doce mas dormia em sala de aula por que tinha rinite alérgica e por isso tomava muito anti- histamínico.

Os olhos dela se fecharam pela última vez, minha inocência acabou alí.

Um comentário:

Andrêas Gatto disse...

A cena de Virginia beijando a cabeça do Márcio me parece interessante. Engraçada é claro, mas é uma imagem sensorial que eu tenho muito forte quando penso em criança. Pois é fato q se vc tem uma criança na família e tem algum contato com ela vc vai cheirar a cabeça dela milhões de vezes e esse cheiro inspira uma ternura absurda. Isso é uma informação valiosa quando vemos que a Vi escolhe que vai escrever isso como lembrança e percebendo que no jogo entre Kevin e Eva, Kevin mostra uma certa indisposição (talvez coisa de menino dessa idade) em ceder aos carinhos da mãe. Essa informação posta por ela mais a reação de Kevin mais o fato dele ser muito maior do que ela, para mim, fazem com que essa ação (de cheirar o cabelo)sai do lugar de uma ação corriqueira e natural. Assim como me assusta ver a forma semi-corriqueira com que ela trata a sensação de tocar o tapa-olho de Célia."Seria cômico se não fosse trágico!"rs.

Outra coisa me chamou atenção foi a possibilidade de se ter em cena, por momentos ou em uma das cenas em que os dois estivessem juntos, Frank e Eva simplesmente não afetarem um ao outro mesmo que suas ações de um engendrem mudanças diretas nas ações do outro. Pensei isso ao ler o final do primeiro capítulo.